4 de maio de 2012
Meu quarto no Hotel Santa Teresa; bar da piscina; lobby de entrada

Este ano decidi comemorar meu aniversário fora de São Paulo. Mais especificamente, no Rio: por motivo de trabalho, tenho ido mais a cidade e me apaixonado por ela. Cada vez mais. Mas não estava numas da badalação do Leblon nem do agito de Ipanema ou Copacabana. Queria estar no Rio mas queria paz. Nada mais indicado que Santa Teresa, no alto da cidade, ladeado por mata. Nada mais indicado que o Hotel Santa Teresa.

A sacada do meu quarto, com vista para a mata, o bairro e o Rio; a bonita piscina do hotel

Membro do exclusivo clube de estabelecimentos pertencentes ao Relais & Châteaux, o Hotel Santa Teresa fica bem no topo do bairro, com uma vista beeeeem privilegiada do Rio. Da sacada do meu quarto, era possível avistar o Cristo Redentor, ao longe, saindo das brumas, e, bem de perto, micos caminhando pelos fios de energia. Silêncio, ar úmido da mata: como estar numa cidade do interior e no Rio de Janeiro ao mesmo tempo.

Beiju Tapioca: Foie Gras do interior de São Paulo, rendas de tapioca, chutney de caju, brotos e ervas; deliciosos pães artesanais do couvert; Zé Cabra

Cheguei na sexta e o tempo nublado do fim de abril não atrapalhou em NADA meu final de semana. Tratei de agendar logo uma bela massagem com óleo de jasmim no Spa do hotel e, por uma hora e meia, fui transportada para um pedaço do universo onde só existe bem-estar. Depois, voltei para o quarto e permaneci zen, tomando espumante na sacada do quarto….

Leitão caipira de Nova Friburgo braseado no caramelo de cumaru, cebolas confit e compota de batata-doce trufada

Mas vou dizer que foi no sábado que tive a maior surpresa com o Santa Teresa: almocei no Térèze, o restaurante do hotel. Taí uma expressão que dá arrepios na maioria das pessoas: restaurante de hotel. Na maior parte, estabelecimentos descuidados, com pratos sem graça e caríssimos. Não é o caso do Térèze, assim como não é caso do restaurante do Emiliano, comandado pelo chef Baratino, no hotel Emiliano, em São Paulo.

Ambos desenvolvem uma profunda pesquisa de fornecedores locais, de produtos de qualidade, para manter a qualidade do que é servido ao mesmo tempo em que incentivam os pequenos produtores. A diferença é que isso, no Santa Teresa, é feito por um francês que decidiu trocar Nova York pelo Rio depois de uma viagem de férias: Damien Montecer.

Entrada do Térèze e o belo salão com a adega aberta

O chef Damien é um daqueles franceses que, mesmo guardando um pouco de sotaque, parecem ter nascido no Rio. “Não gostava da França, achava tudo muito brega. Queria conhecer outros lugares. Fui morar em Londres, depois Nova York”, diz. Ele já trabalhou em diversos restaurantes 3 estrelas Michelin, como o Le Bernardin e o Moulin de Mougins, mas se apaixonou pelo Rio. Quando surgiu a oportunidade de ir para o Térèze, não hesitou.

Moqueca de lagosta da Bahia, flambada na cachaça, acompanhado de arroz arbório cremoso de moqueca e coco fresco

Sua técnica apurada, sua incessante pesquisa dos ingredientes brasileiros e seu talento ficam bem evidentes no menu da casa, que também é aberta a não-hóspedes. Tive uma das melhores refeições dos últimos tempos lá, começando pelo ótimo couvert com pães caseiros, passando pelo viciante Zé Cabra– entrada composta de sensacional e cremoso queijo de cabra da Fazenda Geneve, em Petrópolis, empanado em castanha do pará, servido com fios de palmito pupunha ao molho de jambu (R$ 40)- continuando com o equilibradíssimo Beiju Tapioca– foie gras produzido no interior de São Paulo, com renda de tapioca, chutney de caju e brotos (R$ 65)- e chegando ao embasbacador Leitão Rapadura – leitão caipira da Fazenda Katia, de Nova Friburgo, em pequenos e delicados pastéis de massa folhada,braseados no cumaru e servidos com cebola caramelada e compota de batata-doce trufada (R$ 70).

Baba a Cachaça com tartare de frutas do bosque, sorbet de framboesa e chantilly caseira

Fiquei absolutamente encantada também com o risoto de moqueca acompanhado de lagosta do sul da Bahia flambada na cachaça (R$ 90). Sabe um prato inesquecível, lindo, aromático? Então, é ele.

Imperdível: Canelé ao doce de leite com pera poché no caldo de cana, pedaços crocantes de doce de leite e sorbet de pera

Para terminar, duas belezas franco-brasileiras: Baba a cachaça (referência ao tradicional Baba ao Rum), bolinho embebido em cachaça mineira, acompanhado de tartare de frutas vermelhas, sorbet de framboesa e chantilly (R$ 35) caseiro e o delicioso Canelé, com adição de doce de leite, pedaços de doce de leite, pera pochê no caldo de cana e sorbet de pera (R$ 30).

Um final de semana bom demais, coroado por uma refeição idem. Belíssimo aniversário.

Hotel Santa Teresa: Rua Almirante Alexandrino, 660, Santa Teresa, Rio de Janeiro, tel.: 21 3380 0200