25 de agosto de 2015
Fonte dos desejos de muita gente...

Fonte dos desejos de muita gente…

Diego Badaró é uma mistura improvável de hippie-fora-de-época com homem de negócios bem sucedido internacionalmente. Um cara que se refere à sua fazenda como “floresta encantada”, prefere dormir numa barraca na beira do rio do que dentro de casa (ninguém e contou – eu vi!) e ao mesmo tempo é responsável pleo produto que conquistou espaço nas gôndolas de algumas das lojas mais famosas do mundo, como as do Bon Marché, em Paris.

A diferença de cor, tamanho e texturas dos vários tipos de cacau - que produzirão chocolates bem distintos entre si

A diferença de cor, tamanho e texturas dos vários tipos de cacau – que produzirão chocolates bem distintos entre si

NIbs - pedaços da amêndoa - de cacau sendo separados da casca

Nibs – pedaços da amêndoa – de cacau sendo separados da casca

Representante da quinta geração de cacaueiros – sua família foi tão influente no negócio que é citada no romance Terras do sem fim, de Jorge Amado – Diego, porém, não tem nada do que se poderia imaginar de um fazendeiro-herdeiro. Nada, mesmo: nem roupa de grife, nem carrão do ano, nem jatinho ou apetite por luxo.

Sua fala mansa, sorriso fácil e ar tranquilão são mais facilmente associados a um professor de yoga, por exemplo, do que a um proprietário de seis fazendas e criador de uma das marcas de chocolates orgânicos mais respeitadas mundo afora. No caso, a AMMA.
Diego Badaró, o criador da AMMA, todo feliz por estar batizando suas convidadas com chocolate 85% - ritual de todos que visitam a fábrica, em Salvador

Diego Badaró, o criador da AMMA, todo feliz por estar batizando suas convidadas com chocolate 85% – ritual de todos que visitam a fábrica, em Salvador

Chocolate 40% cacau sendo porcionado, ainda quente.

Chocolate 40% cacau sendo porcionado, ainda quente.

Aos 34 anos, Diego vê seu sonho de recuperar as terras da família – devastadas pela vassoura-de-bruxa, praga que adoece as árvores de cacau, apodrecendo o fruto, no final dos anos 80 -transformar-se numa realidade sólida.

Amêndoas de cupuaçu, planta da mesma família do cacau usada pela AMMA para a produção do "chocolate" de cupuaçu, o Theobroma Grandiflorum

Amêndoas de cupuaçu, planta da mesma família do cacau usada pela AMMA para a produção do “chocolate” de cupuaçu, o Theobroma Grandiflorum

Fundada em 2007, a AMMA hoje produz cerca de 300 toneladas/ano de mais de 10 tipos de chocolate (inclusive o meu preferido, o Theobroma Grandiflorum, que usa amêndoa de cupuaçu no lugar do cacau), está presente em centenas de pontos de venda pelo país e acaba de inaugurar a Casa do Sabor, em São Paulo, conjunção de centro de estudos, desenvolvimento de receitas e  doceria da marca (leia mais sobre ela AQUI).

Eu e minha máscara de chocolate 85% cacau: ritual de batismo para quem visita a fábrica da AMMA, em Salvador

Eu e minha máscara de chocolate 85% cacau: ritual de batismo para quem visita a fábrica da AMMA, em Salvador

Sou fã da marca desde seu início e por isso foi tão bacana conhecer a pequena fábrica, em Salvador, e a lindíssima fazenda em Itacaré, cuja produção é 100% orgânica. E, olha, Diego tem razão de chamá-la de “floresta encantada”… As fotos estão aí pra isso.

À beira do Rio de Contas fica a fazenda de cacau da AMMA. Belíssimo cenário.

À beira do Rio de Contas fica a fazenda de cacau da AMMA. Belíssimo cenário.

Malhada, um dos cachorros que vivem no que Diego chama de "Floresta Encantada"

Malhada, um dos cachorros que vivem no que Diego chama de “Floresta Encantada”

As frutas e amêndoas são impressionantemente saudáveis, sem nenhuma presença do fungo causador da vassoura-de-bruxa.

Cacau ainda verde e a beleza das macias folhas novas

Cacau ainda verde e a beleza das macias folhas novas

A produção é toda cabruca, ou seja, os cacaueiros crescem em harmonia com a mata nativa, método que ajuda na preservação da riqueza do solo, que permanece, safra após safra, nutrido com todos os componentes necessários. E,  importantíssimo, preserva a vegetação original.

Aqui, o corte do cacau cujas amêndoas seguem para a extração do "mel" - suco da polpa que escorre em um balde e tem que ser tomado rápido porque oxida facilmente. Delicioso, naturalmente doce.

Aqui, o corte do cacau cujas amêndoas seguem para a extração do “mel” – suco da polpa que escorre em um balde e tem que ser tomado rápido porque oxida facilmente. Delicioso, naturalmente doce.

Local no qual o cacau é cortado para as amêndoas seguirem pra fermentação, secagem e posterior torra. As cascas das frutas são deixadas para secar e depois viram parte da compostagem que adubará as árvores

Local no qual o cacau é cortado para as amêndoas seguirem pra fermentação, secagem e posterior torra. As cascas das frutas são deixadas para secar e depois viram parte da compostagem que adubará as árvores

Pragas são tratadas e prevenidas com um “adubo-defensor” natural que contém mais de 90% dos elementos da tabela periódica e é composto por pó de rochas do sertão, água do mar da região, entre outras coisas, que é pulverizado nas árvores.

Cacau (amêndoas ainda recobertas de polpa) e seu mel. Só pegar a caneca e beber

Cacau (amêndoas ainda recobertas de polpa) e seu mel. Só pegar a caneca e beber

Fico feliz em ver de perto que é possível associar produtos de qualidade, conservação do meio ambiente e lucro. Espero, de verdade, que exemplos como esse se multipliquem: o mundo está precisando. Cada vez mais e com urgência.