5 de maio de 2014
Minha preferida: Porteña (três queijos, tomates assados e manjericão)

Minha preferida: Porteña (três queijos, tomates assados e manjericão)

Empanada é coisa séria. Quem acha que é apenas um tipo de “pastel argentino” não só está errado como comete quase um sacrilégio. Há uma série de técnicas e regras para fazer a empanada perfeita, de massa fina, untuosa, algo entre macia e crocante. Para isso, um dos maiores “segredos” é usar banha de porco. Não manteiga, muito menos gordura hidrogenada – apenas banha de porco. E isso rola no novo La Guapa.

Empanada Saltenã (carne, azeitonas, ovo caipira e batata cozida) e Cremosa de espinafre (com brócolis e mussarela) do La Guapa

Empanada Saltenã (carne, azeitonas, ovo caipira e batata cozida) e Cremosa de espinafre (com brócolis e mussarela) do La Guapa

Há poucas semanas, a chef Paola Carosella, conhecida por servir a melhor empanada da cidade no seu Arturito, inaugurou a La Guapa, casa dedicada ao salgado. Em sociedade com Benny Goldenberg, do Mangiare, Paola prepara apenas sete tipos de empanadas – feitas na hora-, salada orgânica e alguns doces, incluindo aí seu famoso sorvete artesanal de doce de leite (R$ 12).

Ambiente do pequenino La Guapa

Ambiente do pequenino La Guapa

As variedades de empanadas são: saltenã (não confundir com a salteña boliviana, que possui massa e formato diferente! Esta leva carne, azeitonas, ovo caipira e batata cozida), Humita (milho verde, manjericão e queijo), Frango caipira (com legumes e ervas), Cremosas de espinafre (com brócolis e mussarela), Pucacapas (queijo derretido com cebolas caramelizadas), Amarritos (enroladinhos de queijo, presunto e alecrim), Porteñas (três queijos, tomates assados e manjericão). Cada uma sai por R$ 7 e há a possibilidade de pedir o combinado com duas, mais salada da casa, por R$ 24.

Derreti de amores pela Porteña – sou tarada por queijo – e pela Pucacapas.
Empanadas de Frango caipira (com legumes e ervas) e Pucacapa (queijo derretido com cebolas caramelizadas) do La Guapa

Empanadas de Frango caipira (com legumes e ervas) e Pucacapa (queijo derretido com cebolas caramelizadas) do La Guapa

Sobremesas são coisa séria ali. Coma de qualquer maneira o alfajor artesanal (o que provei foi feito no dia), fresquíssimo, leve, de recheio quebradiço e molhadinho (R$ 8,50).

Putsa alfajor artesanal!

Putsa alfajor artesanal!

Petardo calórico que vale a pena mesmo tendo que encarar cinco dias em cima de uma esteira pra queimar: Tabletón (R$ 14). Massa crocante, prima da folhada, entremeada por doce de leite argentino e cacau baiano, acompanhado por chantilly de cachaça e baunilha.

Tabletón: massa crocante, prima da folhada, entremeada por doce de leite argentino e cacau baiano, acompanhado por chantilly de cachaça e baunilha.

Tabletón: massa crocante, prima da folhada, entremeada por doce de leite argentino e cacau baiano, acompanhado por chantilly de cachaça e baunilha.

O La Guapa ainda ganhou mais pontos por servir café bom – Martins- e bem tirado (R$ 3,50).

Como o salão é minúsculo, o negócio é comer e liberar lugar.

La Guapa: Rua Bandeira Paulista, 446, Itaim, tel.: 3079-2631